Audiometria Tonal

A Audiometria é um exame que avalia a audição de um indivíduo e tem como finalidade diferenciar as pessoas que têm audição normal, daquelas que apresentam alguma alteração auditiva.

Na Audiometria Tonal, o indivíduo detecta, através de um fone que lhe é colocado nas orelhas, a presença de sons escutados. O objetivo é descobrir o estímulo auditivo mais baixo que a pessoa consegue perceber, por meio de uma pesquisa dos sons em várias frequências (sons graves, médios e agudos).

Exame rápido, indolor e pode ser realizado em qualquer idade. Não há preparo.

Obs: A Audiometria Infantil Condicionada é um exame adaptado de acordo com a idade do paciente.

Audiometria Vocal

A Audiometria Vocal é um exame de rotina da prática clínica, sendo complementar da Audiometria Tonal. A Audiometria Tonal fornece apenas os limiares absolutos de percepção de sons puros (função periférica), enquanto a Audiometria Vocal determina a compreensão da linguagem (inteligibilidade) e a discriminação (capacidade de discernir os fonemas), testando os sistemas periférico (cóclea) e central (via e centros auditivos). Dessa forma, é possível verificar melhor a funcionalidade da audição do indivíduo.

Exame rápido, indolor e pode ser realizado em qualquer idade. Não há preparo.

Audiometria Vocal (SRT)

Este exame é complementar da Audiometria Tonal. Este teste é realizado para confirmar os achados do limiar de tonal. Um conjunto específico de palavras trissilábicas é apresentado ao paciente em intensidades decrescentes. Estas são palavras compostas de três sílabas. O SRT é a menor intensidade na qual o paciente identifica corretamente a palavra. O SRT deve ser igual a média tritonal de 500, 1000 e 2000 Hz.

Exame rápido, indolor e pode ser realizado em qualquer idade. Não há preparo.

Avaliação e Sessão de Fonoterapia

Reabilitação dos distúrbios da voz (rouquidão), fala (articulação), linguagem e audição.
O paciente é submetido ao tratamento através de sessões semanais. Indicado em qualquer idade. Não há preparo.

Bera Adulto (PEATE) – Pesquisa de Potenciais Auditivos de Tronco Cerebral

Exame que permite avaliar as vias auditivas (nervos auditivos) até o tronco cerebral. Geralmente solicitado quando a Audiometria e ou Teste da Orelhinha (Emissões Otoacústicas) não  fornecem informações necessárias para um diagnóstico preciso da função auditiva.
Realizado por meio de eletrodos colados à pele.
Em adultos não há preparo, mas é imprescindível apresentar  o exame audiométrico recente (Audiometria/6 meses)
Caso o paciente esqueça de trazer o resultado da Audiometria, o mesmo poderá ser feito no Instituto de Otorrino antes da realização do Bera ou remarcar, se esta for a opção do paciente.

Bera Infantil ( PEATE) – Pesquisa de Potenciais Auditivos de Tronco Cerebral

Exame que permite avaliar as vias auditivas (nervos auditivos) até o tronco cerebral. Geralmente solicitado quando a Audiometria e ou Teste da Orelhinha (Emissões Otoacústicas) não nos fornecem informações necessárias para um diagnóstico preciso da função auditiva. Há preparos ( ver em ” Preparos para Exames”).

 

Otoemissões Acústicas Produto Distorção

Exame que avalia a função coclear (células ciliadas externas) localizadas no ouvido interno ou cóclea. É considerado um exame complementar na prática clínica, auxiliando no diagnóstico de várias patologias auditivas.
Procedimento não invasivo, rápido e indolor. Nos bebês é realizado preferencialmente durante o sono natural. Não há preparo.

Obs: As Emissões Acústicas Produto de Distorção estão presentes em indivíduos que possuem limiares de audibilidade de até 50 dBNA

Otoemissões Acústicas Transientes

Exame que avalia a função coclear (células ciliadas externas) localizadas no ouvido interno ou cóclea. Utilizado para a realização da Triagem Auditiva Neonatal (Teste da Orelhinha) para avaliar a audição ao nascimento e fazer o diagnóstico precoce de possíveis perdas auditivas.
É considerado um exame complementar na prática clínica auxiliando no diagnóstico de várias patologias auditivas.
Procedimento não invasivo, rápido e indolor. Nos bebês é realizado preferencialmente durante o sono natural. Não há preparo.

Obs: As Emissões Otoacústicas Transientes (TE) estão presentes em indivíduos que possuem limiares de audibilidade de até 30 dBNA

Espectrografia Vocal – Avaliação Acústica da Voz

A Espectrografia Vocal registra o sinal sonoro e permite avaliar objetivamente a qualidade vocal. Utilizado para avaliar e monitorar a voz durante o tratamento fonoaudiológico e nas cirurgias laríngeas.
Procedimento não invasivo. Não há preparo.

Impedanciometria

Exame que avalia a orelha média e o funcionamento da tuba auditiva. Realiza a pesquisa do reflexo estapediano.
Exame rápido, indolor e pode ser realizado em qualquer idade. Não há preparo.

Pares Cranianos – Pesquisa de Pares Cranianos relacionados ao VIII par

Exame que avalia os 12 pares cranianos e suas funções específicas que são:

Olfativa, visão, motilidade dos olhos, da boca, da sensibilidade, da motilidade dos músculos da face, audição, da gustação, do movimento, da sensibilidade da boca, da faringe, da laringe e da língua. É rápido e não invasivo. Não há preparo.

Potencial Evocado P-300

Exame que permite avaliar a atividade cortical que envolve as habilidades de discriminação, integração e atenção do cérebro. Indicado para crianças com dificuldade de aprendizagem, idosos com demências e pacientes com dificuldade de entender a fala.

Realizado a partir de 7 anos, é indolor e não invasivo. Não há preparo.

Polissonografia de Noite Inteira

O Instituto de Otorrino possui um laboratório de sono especializado na realização da Polissonografia, um exame utilizado para diagnosticar distúrbios do sono. A Polissonografia registra as ondas cerebrais, o nível de oxigênio no sangue, frequência cardíaca e respiratória, assim como os movimentos dos olhos e das pernas durante o sono. Há preparos ( ver em “Preparos para Exames”).

Polissonografia com Titulação de CPAP

Trata-se de um exame especial de Polissonografia noturna para dosar (titular) a pressão adequada com que o sistema de CPAP do paciente deverá ser calibrado a fim de inibir as suas anormalidades respiratórias (apneias e hipopneias) durante o sono e ronco a elas associadas. É a forma mais conservadora, eficiente e melhor aceita de tratamento da apneia do sono. Consiste no uso de pressão positiva aplicada às vias aéreas superiores durante o sono, através de máscara nasal ou facial. Há preparos ( ver em “Preparos para Exames”) .

Reabilitação Labiríntica / Reabilitação Vestibular

É um tratamento fonoaudiológico realizado por meio de exercícios físicos específicos que proporcionam a recuperação funcional do equilíbrio corporal. É baseado no diagnóstico otoneurológico (Teste Vestibular), por isso é individualizado. O paciente é submetido ao tratamento semanal (uma ou mais sessões semanais) com duração de até 4 meses. O acompanhamento da evolução clínica é fundamental para a obtenção do sucesso terapêutico. Não há preparo.

Teste da Linguinha

É um exame feito em bebês, preferencialmente até o 30º dia de vida, podendo ser realizado até o 6º mês. Tem como objetivo diagnosticar precocemente a presença de língua presa e o grau de limitação dos movimentos causados por ela, que pode comprometer as funções de sugar, engolir, mastigar e falar.

O Teste da Linguinha é rápido, eficaz e indolor. Não há preparo.

Teste de Prótese Auditiva

O aparelho auditivo é um dispositivo eletrônico que aumenta e altera, caso necessário, os sons de forma a permitir uma melhor comunicação. São pequenas próteses auditivas removíveis que amplificam o som facilitando a compreensão das palavras. Indicado pelo médico otorrinolaringologista para pessoas com perda auditiva, independente da idade. Temos fonoaudiólogas especializadas à disposição para fazer o teste de prótese auditiva. Agende uma consulta e faça uma experiência. Não há preparo.

Testes Vestibulares – com Vectoeletronistagmografia (VENG)

Avaliação Otoneurológica/VENG: O Teste Vestibular avalia o equilíbrio do paciente através de testes posturais, visuais e vestibulares. É indicado quando há queixas de tonturas, zumbidos, vertigens, perda da audição uni ou bilateral, desequilíbrio e enxaqueca associada a esses sintomas, entre outros. Há preparo ( ver em “Preparos para Exames”).

Triagem Auditiva Neonatal

A realização da Triagem Auditiva Neonatal (TAN) de rotina é a única estratégia capaz de detectar precocemente alterações auditivas que poderão interferir na qualidade de vida do indivíduo.

O objetivo da TAN é identificar perdas auditivas maiores ou iguais a 35 dBNA ou que possam prejudicar o desenvolvimento normal da criança, como no caso da neuropatia auditiva.

Este exame é realizado através do Teste da Orelhinha (OEATE) e reflexo cócleo palpebral. Não há preparo.

Video-Faringo-Laringoscopia com Endoscópio Flexível/Rígido

É um exame de vídeo indicado para avaliar a garganta (faringe e a laringe) e as pregas vocais, e só é completo com o auxílio do fino endoscópio flexível ou rígido introduzido nas narinas. O exame permite avaliação da laringe durante a fonação, sendo um instrumento importante para avaliar as pregas vocais durante a fala e o canto.

Durante o exame, o paciente é solicitado a tentar emitir alguns sons para que o otorrinolaringologista possa melhor avaliar as pregas vocais. O exame é indicado principalmente para avaliar problemas de voz (rouquidão ou disfonia) e pode identificar sinais de doenças em outros órgãos, como o estômago (refluxo gastroesofágico ou faringolaríngeo) e lesões de faringe e laringe.

Através desse exame, também,  podem ser analisadas as funções de respiração e de deglutição (engasgos). Há preparos ( ver em “Preparos para Exames”).

Video-Endoscopia Naso-Sinusal com Ótica Flexível/Rígida

A Videoendoscopia Nasossinusal é um exame endoscópico do nariz (da cavidade nasal) e da região posterior ao nariz (nasofaringe/ rinofaringe). O endoscópio pode ser flexível ou rígido.

Como o procedimento é realizado?
O paciente ficará sentado. Um endoscópio fino é acoplado a um sistema de vídeo que grava e amplifica a imagem. Este endoscópio é introduzido nas narinas. O exame é indicado para os casos de obstrução nasal, sinusite/rinossinusite, sangramento nasal, entre outros. Há preparo ( ver em “Preparos para Exames”).

Video-Laringo-Estroboscopia com Endoscópio Flexível

Este exame permite avaliar o movimento muco-ondulatório da mucosa que reveste as pregas vocais. O correto diagnóstico da causa das alterações da voz depende da análise dos movimentos das pregas vocais. Somente com o auxílio da luz estroboscópica, o olho humano percebe se as pregas vocais estão se movimentando normalmente, ou se há a presença de alterações,  que devam ser tratadas com exercícios fonoaudiológicos ou mesmo se as lesões são de tratamento cirúrgico. A Videolaringoestroboscopia é o melhor exame para orientar o tratamento de pacientes com alterações na emissão da voz (rouquidão). Há preparos ( ver em “Preparos para Exames”).

Video-Laringo-Estroboscopia com Endoscópio Rígido

Este exame permite avaliar o movimento muco-ondulatório da mucosa que reveste as pregas vocais. O correto diagnóstico da causa das alterações da voz depende da análise dos movimentos das pregas vocais. Somente com o auxílio da luz estroboscópica, o olho humano percebe se as pregas vocais estão se movimentando normalmente, ou se há a presença de alterações com necessidade de tratamento com exercícios fonoaudiológicos ou mesmo se as lesões são de tratamento cirúrgico. A Videolaringoestroboscopia é o melhor exame para orientar o tratamento de pacientes com alterações na emissão da voz (rouquidão). Além de um grande número de pessoas com queixa de rouquidão, o exame é de fundamental importância na prevenção e detecção precoce de doenças nos profissionais da voz (professores, cantores, atores, jornalistas, radialistas, juristas, profissionais de telemarketing) que, sempre que possível, também devem ser submetidos à Videoestroboscopia para um diagnóstico adequado e conduta precoce. Este exame atualmente é critério exigido no edital de concursos públicos na área. Há preparos ( ver em “Preparos para Exames”).

Avaliação Endoscópica da Deglutição (FEES)

Com o nasofibroscópio posicionado na laringe, é possível observar o trânsito dos alimentos pela faringe até o esôfago. Durante este exame, o ato da deglutição é avaliado testando a ingestão de alimentos líquidos, pastosos e sólidos corados com anilina ou azul de metileno. Desta forma, é possível avaliar se o paciente está com a deglutição normal ou se está engasgando com as consistências e volumes testados. As informações geradas pela Videoendoscopia da Deglutição são de importância fundamental para que os fonoaudiólogos e médicos nutrologistas planejem a escolha da via de nutrição mais adequada para seus pacientes, especialmente em pacientes em recuperação de acidentes vasculares cerebrais (derrames) ou após ressecções de tumores da faringe ou da laringe. Há preparos ( ver em “Preparos para Exames”).